sábado, 14 de fevereiro de 2015

Elizabeth Siddal, a musa dos Pré - Rafaelitas

Elizabeth Eleanor Siddal nasceu a 25 de Julho de 1829 e faleceu a  11 de Fevereiro de 1862. Foi modelo, poeta, pintora e musa da Irmandade dos Pré-Rafaelitas, movimento artístico inglês do final do século XIX constituído pelos poetas e pintores Walter Deverell, William Holman Hunt, John Everett Millais, Dante Gabriel Rossetti, William Morris, entre outros.
Por volta de 1848, este grupo de artistas desafiou abertamente as convenções pictóricas para criar uma linguagem visual nova e novos modos de representação do mundo material. Quase "tudo" se resumia à representação do corpo, rejeitando o modelo inspirado por Rafael e pelos Renascentistas. O corpo é representado como 'distorcido', 'mutilado', erotizado, ou violado.
Para servir "esse" corpo eram necessários modelos. Surge, então, Lizzie Siddal, acicatando paixões e ódios no seio da comunidade. O poeta William Allingham viu-a pela primeira vez.  Foi disputada e pintada por muitos, rejeitada por outros. Millais cedo compreendeu a origem do seu fascínio. Lizzie era impressionante, alta e magra com o cabelo vermelho exuberante e, pele pálida. Ela era o oposto do que foi aceite como o ideal de beleza da época vitoriana. Porém, quem mais a tomou como musa dentre eles, chegando a impedir aos poucos que Siddal posasse para os outros artistas, foi Dante Rossetti. Com Rossetti, Siddal haveria de descer na espiral do Inferno amoroso.  Rossetti e Siddal quebraram as convenções, viveram juntos um amor não-legitimado aos olhos da sociedade.
Rossetti retratou-a em inúmeras obras, até que Lizzie, foi ficando doente e viciada em ópio (presente no láudano). Os médicos vitorianos faziam diagnósticos vagos e receitavam láudano, que no século XIX era frequentemente utilizado para acalmar as crises físicas e psicológicas dos considerados inválidos e hipocondríacos, especialmente mulheres. Em Lizzie,o seu uso acabou por resultar em inquietação, fraqueza, vómitos. O vício em ópio apagou um pouco da beleza e brilho de Lizzie. Aos poucos, o artista substituiu-a por outras modelos. Apesar disso, Elizabeth Siddal e Rosseti casaram-se e permaneceram juntos (mesmo com as inúmeras traições dele) até à morte dela. Sete anos depois da morte de Lizzie, Dante Gabriel mandou exumá-la para recuperar os manuscritos dos poemas que ele enterrou junto aos cabelos dela. Diz-se que ela estava intacta, mas os manuscritos não tiveram a mesma sorte e tinham sido danificados por vermes. Restaram apenas três páginas.


Wikipedia (Imagens)
Arquivo: Siddal-foto.jpg


 Elizabeth Siddal c. 1860
Arquivo: John Everett Millais - Ophelia - Google Art Project.jpg
John Everett Millais -Ophelia
Arquivo: Dante Gabriel Rossetti - Beata Beatrix, 1864-1870.jpg
Dante Gabriel Rossetti - Beata Beatrix
Arquivo: Regina-cordium-1860.jpg
Dante Gabriel Rossetti - Regina Cordium

Sem comentários:

Enviar um comentário