sábado, 21 de março de 2015

Anna Pavlova, "O Cisne"

Anna Matveievna Pavlova  nasceu em São Petersburgo a 31 de Janeiro de 1881. De talento e carisma excepcionais, fascinou o mundo da dança no fim do século XIX e na primeira metade do século XX.  O seu extraordinário talento e as suas interpretações extremamente pessoais deram um novo sentido ao ballet clássico.
Nascida numa família de camponeses pobres, dizem que Pavlova não gostava de falar do seu pai, quando questionada sobre o tema, respondia que ele tinha morrido quando ela tinha 2 anos de idade. Mas a verdade é que a sua mãe a criou sozinha, portanto era filha de mãe solteira. Aos 8 anos, como presente de aniversário assistiu ao espetáculo de ballet “A Bela Adormecida” no teatro Mariinsky. Emocionada decide dedicar-se à dança. Para isso, Pavlova tentou inscrever-se na Escola Imperial de Ballet de São Petersburgo, mas foi rejeitada devido à sua idade e baixa estatura. Persistente, em 1891, aos 10 anos, consegue concretizar o seu propósito.
Durante o seu período de formação, teve aulas com os mais famosos professores da época: Pavel Gerdt, Christian Johansson, Ekaterina Vazem, Nikolai Legat. Formou-se em 1899 com 18 anos de idade. Posteriormente entrou no corpo de bailado  do Ballet Imperial Russo de São Petersburgo. Logo caiu nas graças de Marius Petipa, conseguindo posições de destaque cada vez maior, pois em 1902 já era segunda solista e em 1905 première danseuse, consequentemente em 1906 torna-se prima ballerina.

No final do século XIX o ideal da bailarina era ter um corpo compacto e musculado, para poder atender aos requisitos de técnica e performance nas danças. Anna Pavlova mudou esta visão. Tinha uma figura feminina, graciosa e delicada e um modo pessoal de dançar, começou a ganhar destaque nos espetáculos em que actuava e a arrebatar fãs entusiastas. Em 1908 estreou no Théatre du Châtelete (Paris) com o Ballets Russes de Serguei Diaghilev, que encontrou em Michel Fokin, total apoio para sua proposta de renovação no ballet. Neste período também surgia Nijinsky (considerado o máximo expoente da dança masculina) com quem encena o ballet Les Shylphides. Também nesta temporada dança o bailado Cleópatra. Em 1910, apresenta-se no Metropolitan Opera House, em Nova Iorque, no bailado Coppelia. Pavlova apresentou-se com a companhia de Diaghilev até 1911 e dividia o seu tempo entre estas viagens e as apresentações no Mariinsky. Já em 1913 ela decide deixar o Ballet Imperial e passa a apresentar-se representada por Victor d’Andre (com quem vem a se casar em 1924). Em 1914, ela deixa a Rússia definitivamente e muda-se para Londres, era o início da Primeira Grande Guerra.

 No natal do referido de 1930 Pavlova teve algumas semanas de descanso de uma digressão que realizava pela Europa. No regresso ao trabalho, numa cidade da Holanda, o comboio em que viajava foi obrigado a parar devido a um acidente ocorrido próximo da linha. Anna resolveu sair do comboio para ver o que tinha acontecido, mas vestia roupas muito leves e foi caminhando pela neve. Dias mais tarde, Pavlova foi acometida de forte pneumonia. Acabou por falecer no dia 23 de Janeiro de 1931, no auge da fama e perto de completar 50 anos.

Fontes: http://www.britannica.com
wikipedia (imagens)
File:Anna pavlova -c. 1905.jpg
Anna Pavlova cerca de 1905

Anna Pavlova em 1910
Ficheiro:AP Cygne.jpg


Anna em A Morte do Cisne

Sem comentários:

Enviar um comentário