sexta-feira, 13 de março de 2015

O Sobressalto Político de 1958

No ano de 1958 realizaram-se as eleições presidenciais que marcariam uma época de grande instabilidade política. A candidatura do general Humberto Delgado, derrotado nas eleições pelo almirante Américo Thomaz, despoletou uma onda de revolta contra o regime salazarista. De facto, durante a campanha eleitoral Humberto Delgado tinha prometido demitir António de Oliveira Salazar, caso vencesse, granjeando bastantes apoiantes, praticamente toda a oposição ao regime salazarista. O sucesso da campanha deste candidato, após a desistência de dois outros (Arlindo Vicente e Cunha Leal), fez com que o regime tremesse e fossem tomadas medidas repressivas pelo ministro do Exército, Afonso Costa, contra as manifestações públicas de apoio a Humberto Delgado. A mais evidente destas medidas foi o impedimento do comício em Lisboa, na Estação de Santa Apolónia, por intermédio dos legionários comandados por Góis Mota, que obrigou o veículo que transportava Delgado a desviar-se da rota, e da Guarda Nacional Republicana comandada por António de Spínola, sendo igualmente boicotado o comício previsto em Braga. Sem listas eleitorais e com a proibição imposta pelo Governo à oposição no que respeita à inspeção das assembleias de voto, acabou por vencer o almirante Tomás, entre as reclamações generalizadas da oposição. Esta onda na solidez do regime do Estado Novo teve inevitavelmente uma série de repercussões no País. Entre elas contam-se a revisão constitucional de 1959, que instituiu um colégio eleitoral para que não perigasse o corporativismo e não se voltasse a repetir o clima de insegurança das últimas eleições presidenciais. Entretanto fundava-se, secretamente e ainda em 1958, o Movimento Nacional Independente, tendo à cabeça Humberto Delgado. Lutando por valores democráticos, foi dirigido ao ministro do Interior um pedido de autorização de existência e prática de apoio económico e moral aos prejudicados pelo regime de repressão, assim como a contestação dos resultados eleitorais. O pedido foi indeferido e sucederam-se as tentativas do MNI de levar à sublevação generais do exército, contestando também, e abertamente, o regime pela participação ostensiva no aniversário da implantação da República (cujas comemorações foram alvo de intervenção violenta do exército). Em dezembro de 1958 Humberto Delgado foi investigado e demitido, tendo-se asilado na embaixada do Brasil após o insucesso do golpe militar que tinha vindo a ser preparado para se realizar a 28 de Dezembro de 1958. Continuariam as tentativas de sublevação, que agregaram no chamado "Golpe da Sé" (Março de 1959) um novo sector apoiante: a Igreja Católica.
Sobressalto Político de 1958. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013.

Uma multidão recebe Humberto Delgado na Praça de Carlos Alberto, no Porto, em 1958


Sem comentários:

Enviar um comentário