terça-feira, 19 de maio de 2015

19 de Maio de 1798: Napoleão inicia a campanha do Egipto

No dia 19 de Maio de 1798, Napoleão partiu com 18 mil soldados para conquistar o Egipto. Dois meses depois, as suas tropas chegariam ao Cairo. Antes disso, venceram os mamelucos na lendária Batalha das Pirâmides.

A Revolução Francesa, cujo auge fora a queda da Bastilha, em Junho de 1789, ainda não fora superada: o país estava envolvido em conflitos. Napoleão Bonaparte, jovem general corso, conseguiu estabilizar a situação, ao sufocar um levantamento monárquico em Paris, em 1795. Ele reorganizou as tropas francesas e venceu os austríacos e piemonteses, bem como os seus aliados Prússia e Saboia. O seu domínio logo se estendeu à margem esquerda do Rio Reno, à Bélgica e a Milão.
Foi nesse cenário que Napoleão decidiu iniciar a campanha do Egipto. O objectivo era desmantelar uma importante rota de comércio inglesa. O rei Jorge III não havia reconhecido as conquistas territoriais francesas na Itália. Vendo que não tinha qualquer possibilidade de invadir a Inglaterra, Napoleão planeava derrotá-la no sector económico.
A base da economia inglesa eram as colónias, entre as quais a Índia era a principal. O comércio de mercadorias indianas era vital para a Inglaterra. E Napoleão planeou exactamente bloquear o longo caminho inglês até à Índia, que passava por território egípcio. A 19 de Maio de 1798, partiu com 18 mil soldados para conquistar o Egipto.

Em 18 de Julho, as suas tropas chegaram ao Cairo. Antes disso, venceram os mamelucos na lendária Batalha das Pirâmides, onde, porém, sofreram pesadas perdas. Durante a batalha os disparos dos canhões franceses destruíram o rosto da Grande Esfinge de Gizé, a sentinela da eternidade.
Como pretexto para invadir o Egipto, Napoleão Bonaparte alegou que queria apenas garantir, por todos os meios, o acesso seguro dos peregrinos a Meca. "Somos amigos dos muçulmanos e da religião do profeta Maomé", disse. Hábil estratego e mestre em empolgar as tropas, lembrou aos soldados, na base das pirâmides, de que eles se encontravam diante de 40 séculos de história. As suas supostas boas intenções, contudo, não convenceram os adversários.
O sultão turco Selim III, que encarregara os mamelucos do xeque Abdallah al Charkawi de administrar o território egípcio, tentou fazer uma guerra santa contra Napoleão. As suas tropas precariamente armadas tornaram-se presa fácil para os franceses. Ao contrário dos soldados britânicos sob o comando do almirante Horatio Nelson: estes conseguiram derrotar a frota napoleónica na Baía de Abukir, reconquistando a rota inglesa para a Índia, e barrando o retorno de Napoleão à França.
Somente um ano mais tarde Napoleão conseguiu derrotar o exército turco em terra, na Batalha de Abikur. Em seguida, deixou o general Kléber no Egipto, como comandante-em-chefe das tropas francesas, e voltou para casa, escoltado por uma guarda pessoal mameluca.
O que só alcançara em parte no Egipto, o militar corso logrou inteiramente na França: a ascensão ao poder. Auxiliado por militares e membros do governo, Napoleão Bonaparte derrubou o Directório a 10 de Novembro de 1799, dissolveu a Assembleia e implantou o Consulado, uma ditadura disfarçada. Depois de ser cônsul-geral, em 1804 coroou-se imperador, como Napoleão I. Era o fim da Revolução Francesa.
O ditatorial governo napoleónico foi marcado tanto pelo êxito nas guerras e nas reformas internas, como pela censura à imprensa e a repressão policial. Napoleão I interveio em toda a Europa, passando a controlar grande parte dos países europeus.
 Fontes: DW
 wikipedia (imagens)
File:Baron Antoine-Jean Gros-Battle Pyramids 1810.jpg
Batalha das Pirâmides - Antoine Jean GrosFile:Bonaparte en Egypte.jpg
Napoleão no Egipto - Jean -Léon Gérôme
File:Jean-Léon Gérôme 003.jpg
Napoleão perante a esfinge - Jean - Léon Gérôme

Sem comentários:

Enviar um comentário