quinta-feira, 14 de maio de 2015

Amor Sagrado e Amor Profano de Ticiano

 
Amor Sagrado e Amor Profano é uma obra do pintor Ticiano Vecellio, pintada cerca de 1515. É um óleo sobre tela,  foi encomendado por Niccolò Aurélio, então secretário do Conselho dos Dez, e mais tarde Grande Chanceler da Sereníssima, estado no nordeste da Itália, com capital em Veneza, que existiu entre o século IX e XVIII. O escudo de armas de Nicolò aparece na fonte ou sarcófago do centro da imagem. A encomenda coincide com o seu matrimónio com a jovem viúva Laura Bagarotto, pelo qual pode ser um presente de casamento. A obra pertence à Galeria Borghese em Roma.
Existe mais do que uma interpretação da obra, uma das interpretações, a filosófica, vê na tela duas mulheres sentadas numa fonte de mármore esculpida, uma nua e a outra vestida. São as duas Vénus, a celeste, nua, coberta apenas com um manto púrpura (cor que identifica o carácter divino nas obras renascentistas), e a terrena, vestida com um traje branco de manga púrpura. Entre elas, está Cúpido, a mexer nas águas da fonte.  O facto de a mulher nua representar a Vénus celeste mostra a atribuição de valores positivos que se fazia da nudez no período renascentista, como a beleza feminina, o amor e a felicidade eterna.

Diferente do que supõe o título da pintura, nome dado provavelmente no final do século XVII, a obra não se trata de uma oposição entre dois tipos de amor. Existia no renascimento a crença de que a beleza sem ornamento é superior à beleza adornada, e que a forma de amor celeste, que aprecia uma beleza superior à que chamamos realidade, é mais elevada que a forma de amor terrena, que aprecia uma beleza pertencente ao mundo material. Porém, as duas formas de amor, representadas pela dupla de Vénus, buscam a beleza, cada uma à sua maneira, mas ambas são nobres e dignas de serem veneradas. Assim, segundo a interpretação do historiador da arte Erwin Panofsky, na obra está presente um diálogo de amor, dentro de um espírito de persuasão. O Cupido que mexe nas águas da fonte seria um símbolo do princípio da harmonia, em que as duas formas de amor, apesar das diferenças, seriam uma só essência.

Outra interpretação remete para o casamento, vê na cena uma donzela ricamente vestida (provavelmente de noiva) sentada junto a Cupido e acompanhada pela deusa Vénus. Vários pormenores sugerem que a mulher é possivelmente uma noiva: o seu cabelo solto decorado com uma coroa de murta (planta sagrada de Vénus), o véu transparente sobre os seus ombros, as rosas na sua mão direita, e o cinto (símbolo da castidade). A figura vestida sujeita nas suas mãos uma vasilha cheia de ouro e gemas, que simboliza "a efémera felicidade da Terra" e a deusa, despida, sustém uma lamparina com a chama ardente de Deus, a qual simboliza "a felicidade eterna do Céu".
O título, de carácter moralista, não foi dado pelo próprio Ticiano, mas atribuído dois séculos depois. No catálogo Borghese teve diferentes nomes: Beleza sem ornamento e beleza ornamentada (1613), Três amores (1650), Mulher divina e profana (1700), e, finalmente, Amor sacro e amor profano (1792 e 1833). A primeira menção da obra com o nome Amor profano e amor divino acontece no inventário de 1693, embora os críticos contemporâneos desacreditem a teoria de que se tratem das personificações dos conceitos neoplatónicos de Amor sacro e Amor profano.
A obra foi comprada em 1608 pelo mecenas da arte Scipione Borghese, devido ao qual actualmente é exibida junto a outras peças da Colecção Borghese na Galeria Borghese em Roma. Em 1899,  Nathaniel Anselm von Rothschild realizou uma oferta de compra da obra por 4 milhões de liras, que foi recusada.
Em 1995 a pintura foi restaurada, e durante este processo revelou-se que o manto branco da figura semi-desnuda era originalmente de cor vermelha.
wikipedia (imagens)
File:Tiziano - Amor Sacro y Amor Profano (Galería Borghese, Roma, 1514).jpg
Amor Sagrado e Amor Profano - Ticiano
Detalhes da Obra
 Ficheiro:Amor sacro e amor profano 02.jpg
Ficheiro:Amor sacro e amor profano 03.jpg

Ficheiro:Amor sacro e amor profano 04.jpg
 


Sem comentários:

Enviar um comentário