segunda-feira, 3 de agosto de 2015

03 de Agosto de 1914, Primeira Guerra Mundial: A Alemanha declara guerra à França

No dia 3 de Agosto de 1914, a Alemanha declara guerra à França. Em confronto já há dois dias contra a Rússia, Berlim queria prevenir um ataque conjunto da Rússia e da França contra o seu território e põe em marcha, sem mais delongas, o plano delineado 20 anos antes por um oficial do Estado-Maior: o plano Schlieffen.
Dias de intensa agitação, confusos e de escalada diplomática e militar iriam arrastar os países mais civilizados e prósperos do planeta a um conflito suicida de mais de quatro anos, apropriadamente denominado de A Grande Guerra.
Considerando que a vantagem pertenceria a quem a desencadeasse primeiro, a Alemanha declara guerra à França. Invade de pronto o Luxemburgo e lança um ultimato à Bélgica, exigindo a passagem das suas tropas pelo território belga.
O chefe do Estado-Maior alemão, Ludwig von Moltke, era sobrinho do célebre militar Helmut von Moltke, também chefe de Estado-Maior na origem das vitórias germânicas da Prússia sobre a Áustria e a França, em Sadowa e Sedan, nos anos 1870. Empregou o plano Schlieffen – nome de outro chefe de Estado-Maior prussiano, o conde Alfred von Schlieffen, morto 18 anos antes –, que preconizava a invasão da Bélgica, país neutro, e o ataque pela retaguarda ao exército francês, concentrado na fronteira leste.
Contudo, na hora decisiva, von Moltke hesitou, não tendo a audácia dos seus predecessores. Ao invés de concentrar todo o ataque no flanco direito sobre a Bélgica, von Moltke preferiu, por precaução, manter dois exércitos na Alsácia. Esses dois exércitos fariam tremenda falta, um mês depois, quando os franceses lançaram uma poderosa contra ofensiva sobre o rio Marne.
Porém esta não seria a única derrapagem que iria afectar o desempenho dos alemães. Ao esboçar o seu plano, von Schlieffen negligenciou o facto de que este implicava na invasão de um pequeno país neutro, a Bélgica.
Os chefes militares e os dirigentes políticos não se preocupavam com a Bélgica. A Inglaterra, que até então se mantinha à margem dos acontecimentos, considerando que nada tinha a ver nem a fazer num conflito entre países do continente, não tolerou a invasão de um país com o qual mantinha estreitas relações políticas e económicas.
A 4 de Agosto, a Inglaterra declara por seu turno guerra à Alemanha. Era uma amarga surpresa para o imperador germânico, neto da finada rainha Vitória, que esperava que Londres se mantivesse à margem do conflito.
Foi nestas condições que se desenrolaria a Batalha das Fronteiras, entre 14 e 24 de Agosto de 1914. Tratou-se de uma série de batalhas travadas ao longo da fronteira oriental da França e sul da Bélgica, que representou a colisão entre as estratégias militares do Plano XVII francês e as do Plano Schlieffen alemão. A batalha foi vencida pelos alemães que, atraindo parte significativa do exército francês para a  Lorena e Alsácia, invadiram o norte da França pela Bélgica com a intenção de envolver e vencer de forma definitiva a guerra.
Contudo, a entrada da Inglaterra no conflito mudaria o curso dos acontecimentos.
Fontes: Opera Mundi
wikipedia (imagens)
Os soldados franceses mobilizados  em frente à Gare de l'Est, no dia 2 de Agosto de 1914

Primeira página do jornal belga Le Soir, 04 de Agosto de 1914, relatando a invasão da Bélgica

Sem comentários:

Enviar um comentário