quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Análise da obra: "O retrato de Sonja Knips", de Gustav Klimt

Sophie Maria Amalia Potier des Echelles nasceu a 2 de Dezembro de 1873, na cidade de Lvov, onde o seu pai, o general Maximiliano Potier des Echelles, estava em serviço. Em 1896 casou-se com o magnata da indústria metalúrgica e instituições de crédito, Anton Knips. 
Ligada ao mundo artístico, Sonja admirava a arte moderna, especialmente Gustav Klimt e Josef Hoffman e  os membros da  Secessão de Viena.
O arquitecto Josef Hoffman foi contratado para projectar o seu apartamento no número 15 na Gumpendorferstrasse em 1903. Na sala de estar do apartamento, Hoffman colocou uma das paisagens de Klimt. Para além do apartamento, Hoffman também projectou a residência de campo dos Knips em Weissensee, perto do Lago Millstatt, e o túmulo da família no cemitério de Hietzing. Mas a grande obra deste arquitecto foi o projecto  da casa da família em Viena, construída entre 1924-1925. No salão principal da casa foi colocado este retrato.
Sonja faleceu na sua residência de Seeboden a 25 de Junho de 1959. Nos seus documentos privados, ela declara-se uma "artista". Uma das suas netas, Barbara Creagham afirmou que o casamento da avó não foi feliz. Os seus dois filhos morreram jovens e o seu irmão favorito morreu depois de cair de um cavalo.
Este retrato de Klimt é considerado o primeiro do seu novo estilo, trabalhando no formato quadrado e ao abandonar o hiper-realismo de trabalhos anteriores. Sonja está sentada num cadeirão branco e atrás dela vemos um grande ramo de orquídeas, um elemento que se repete no canto superior esquerdo. Esta é a única referência à natureza mostrada num retrato de Klimt. Sonja usa um elegante vestido rosa com gola alta, folhos nos ombros, e saia rodada. Na forma como o vestido é representado encontra-se a influência de James Abbott mac Neill  enquanto que na pose, Klimt é inspirado por um retrato de Hans Makart, especificamente no de Charlotte Wolter como Messalina. A mão esquerda de Sonja segura firmemente a cadeira e a direita surge com um livro vermelho na mão, identificado como um dos cadernos do pintor. O seu gesto é sério e melancólico e é mais um dos elementos de referência do retrato. Sonja olha para o espectador, a luminosidade projecta-se nos seus olhos e aumenta o brilho dos mesmos. O resultado é um trabalho verdadeiramente espetacular, com o qual Klimt será o retratista favorito das mulheres de alta burguesia de Viena como evidenciado pelos retratos de Adele Bloch-Bauer e .Fritza Riedler. O retrato encontra-se no museu  Belvedere, em Viena.
Fontes:http://www.viennatouristguide.at/
Artehistoria
thebluelantern.blogspot.
wikipedia(imagem)

File:Klimt - Bildnis Sonja Knips.jpeg
O retrato de Sonja Knips, de Gustav Klimt

Sonja Knips

Sem comentários:

Enviar um comentário