quarta-feira, 4 de novembro de 2015

04 de Novembro de 1922: É descoberta, no Egipto, a entrada para o túmulo de Tutankhamon

Howard Carter foi um arqueólogo, egiptólogo, prospetor de antiguidades e artista inglês, nasceu a 9 de março de 1874, em Kensington, filho de Samuel John Carter, artista e de quem foi recebendo todas as influências como desenhador e pintor. Foi para o Egito em outubro de 1891 trabalhar para a Egyptian Exploration Found, onde era responsável pela execução de cópias de desenhos e inscrições descobertas para ulterior uso dos estudiosos. Recebeu influências de grandes egiptólogos nos finais do século XIX, com destaque para Gaston Maspero e Flinders Petrie, com quem trabalhou em Tell El-Amarna em 1892. Entre 1893 e 1899 trabalhou como desenhador para Edouard Naville em Der El-Bahri (Luxor), e no ano de 1899, com apenas 25 anos, foi nomeado Inspetor Geral dos Monumentos do Alto Egito, dado que conhecia muito bem a língua árabe e suas formas dialetais egípcias. A sua responsabilidade passava pela supervisão e controlo da arqueologia do Alto Egito. Graças às suas capacidades técnicas, a ele se deve a instalação das primeiras formas de luz elétrica no Vale dos Reis e no templo de Abu Simbel.
Em 1903 renunciou a um cargo no Serviço de Antiguidades Egípcias, depois de se ter envolvido numa discussão com turistas francesas em Saqqara. Posteriormente, trabalhou durante quatro anos como pintor e negociante de antiguidades, bem como guia de excursões, isto até 1908, altura em que Lord George Herbert, também conhecido pelo título de 5.º Lord Carnarvon, um súbdito da monarquia inglesa, o passou a financiar e convidou mesmo a regressar ao Vale dos Reis para retomar as escavações (conheceram-se em 1907). De notar que nesta altura o Vale dos Reis era uma muralha de pedras de transposição difícil, com as paredes em rocha, detritos e areia que se desprendiam a qualquer momento e escorregavam para o vale, um lugar desértico, quente, seco e inóspito, onde esquadrinhar terreno era difícil e onde muitos não anteviam grandes sucessos.
As escavações tiveram início em 1914 mas foram logo suspensas devido ao deflagrar da Primeira Guerra Mundial sendo depois retomadas em 1917. Carter descobriu seis túmulos no vale de Tebas, de onde sobressai a sua máxima glória, o túmulo intacto do faraó Tutankhamon (faraó que faleceu com apenas 18 anos, um dos soberanos, c. 1336-1327 a.C., menos conhecidos do Antigo Egito, provável filho de Amenhotep IV, ou Amenófis, ou Akhenaton) em novembro de 1922, curiosamente 100 anos depois de Champollion ter publicado o artigo em que decifrava a Pedra de Roseta, e dez anos depois de ali andar o arqueólogo inglês em busca de algo mais importante do que se tinha ali achado. Carter, com efeito, a 4 de novembro de 1922 descobria o primeiro degrau que dava acesso a umas escadas que terminavam num corredor que estava fechado por uma porta selada com os símbolos reais do faraó Tutankhamon. A 26 de novembro era descoberta a câmara real do faraó, um túmulo com inúmeros objetos de luxo. Em fevereiro de 1923, abriu a câmara real, selada por uma parede, e foi o primeiro a ver o riquíssimo sarcófago do jovem faraó. Os últimos dezassete anos da sua vida foram dedicados a analisar todo o equipamento funerário que ele havia descoberto no túmulo do faraó. Morreu a 2 de março de 1939, na sua Londres natal. Tinha uns bons 65 anos de idade capazes de provar que sobreviveu à célebre “maldição dos faraós”, que se acredita ter fulminado os descobridores do túmulo de Tutankhamon, que mais não era do que um conjunto de bactérias com mais de 3000 anos subitamente trazidas para o ar livre no século XX para a respiração de quem a elas não estava habituado, logo, sem imunidades.

Howard Carter. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012.
wikipédia (Imagens)

File:Howard carter.jpg
Howard Carter
 


Sem comentários:

Enviar um comentário