quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

20 de Janeiro de 1942: Conferência de Wannsee, a cúpula nazi decide exterminar os judeus

No dia 20 de Janeiro de 1942, a convite de Reinhard Heydrich, chefe da Polícia de Segurança (Sicherheitspolizei) e do Serviço de Segurança (Sicherheitsdienst - SD) da Alemanha nazi, uma reunião entre representantes das SS, do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (NSDAP) e de vários ministérios do Reich tratou da “solução final da questão judaica” (“Endlösung der Judenfrage”). A discussão centrou-se no objectivo de expulsão dos judeus de todas as esferas da vida do povo alemão.
O encontro aconteceu ao meio-dia na sala de jantar do palacete de Wannsee (à beira do lago Wann), nos arredores de Berlim, e durou cerca de 90 minutos. 
Foram discutidas medidas a tomar e o conceito de 'deportação' dos judeus para o Leste Europeu foi alterado para "trabalho apropriado no curso do qual sem dúvida uma grande porção será eliminada por causas naturais" e os "restantes serão... tratados de forma apropriada, porque, se libertados, iriam agir como semente de uma nova restauração judaica". 
Heydrich tinha como objectivo o reconhecimento do seu próprio papel de liderança nas deportações, bem como o envolvimento de ministérios e membros do Partido importantes na preparação para o assassinato dos judeus. Ao mesmo tempo, deveriam ser resolvidos os conflitos das administrações de ocupação alemãs civis na Polónia e nos territórios do Báltico e Leste Europeu (“Ostland”) com os líderes das SS. 

Os participantes fizeram propostas e levantaram objecções em nome dos organismos a que pertenciam, mas em geral mostraram-se dispostos a colaborar. 

Antes, em Julho de 1941, Herman Goering, agindo sob instruções de Hitler, já ordenara que Heydrich e Heinrich Himmler - na altura o número dois do regime - apresentassem “tão cedo quanto possível, um plano geral elencando as medidas administrativas, materiais e financeiras necessárias que levassem à desejada solução final da questão judaica”. 
Heydrich convocou então Adolf Eichmann, chefe doDepartamento Central da Emigração Judaica, e 15 outros altos funcionários de diversos ministérios e organizações nazis para a reunião em Wannsee. A agenda tratou de um único tema e concentrou-se em elaborar um plano a fim de encontrar a “solução final”, como Hitler havia exigido. Diversas propostas repulsivas e espantosas foram abertamente discutidas, inclusive esterilização em massa e deportação para a ilha de Madagáscar.
Heydrich propôs simplesmente o transporte de judeus de todos os cantos da Europa para campos de concentração na Polónia, onde encontrariam a morte. Houve objecções a esta proposta, alegando-se que ela consumiria muito tempo. O que fazer com os que levassem mais tempo para morrer? O que fazer com os milhões de judeus que ainda estavam na Polónia? Embora a expressão “extermínio” não constasse das actas da reunião, estava implícita: quem quer que resistisse às condições de um campo de trabalho forçado deveria ser “tratado adequadamente”. 
Meses mais tarde, o Zyklon-B, em Chelmno, na Polónia, mostrou ser a “solução” que estavam  à procura – o meio mais eficaz de matar grandes grupos de pessoas ao mesmo tempo. Os fornos crematórios, que transformariam cadáveres em cinzas, acabariam por completar a tarefa. 
Todos os cuidados para manter sob sigilo o encontro de Wannsee foram adoptados. Não obstante, descobertas as actas da reunião forneceram provas decisivas durante os Processos de Nuremberga. 
Surgiu aí a expressão “Holocausto” que diz respeito à aniquilação de cerca de 6 milhões de judeus – dois terços da população judaica europeia anterior à Segunda Guerra Mundial – que incluíam 4,5 milhões da Polónia, Ucrânia, Rússia e países bálticos; 750 mil da Hungria e Roménia; 290 mil da Alemanha e Áustria; 105 mil dos Países Baixos; 90 mil da França; 54 mil da Grécia. 
O Holocausto foi único na História na prática do genocídio – a sistemática destruição de um povo devido apenas à religião, raça, etnia, nacionalidade ou preferência sexual – em escala jamais igualada. Além dos judeus, entre 9 e 10 milhões de pessoas – ciganos, eslavos, homossexuais e deficientes físicos – foram exterminados. 

Fontes: Opera Mundi
wikipedia (imagens)

Carta de Reinhard Heydrich a Martin Luther, subsecretário de Assuntos Estrangeiros, convidando-o a participar na Conferência de Wannsee (Casa Memorial da Conferência de Wannsee, Berlim)

 
 A mansão no nº 56-58 Am Grossen Wannsee, onde ocorreu a Conferência de Wannsee. Hoje é um memorial e museu.


2 comentários:

  1. habitei perto deste antro imundo de desumanismo...sem saber...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desumanismo é o termo que caracteriza na perfeição o Holocausto. Triste página da História.

      Eliminar