quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

17 de Fevereiro de 1673: Morre o dramaturgo francês Molière, Jean-Baptiste Poquelin, autor de "O Avarento" e " Don Juan"

Jean-Baptiste Poquelin, conhecido pelo pseudónimo de Molière, nasceu em Paris, a 15 de Janeiro de 1622 e morreu na mesma cidade a 17 de Fevereiro de 1673. Filho de um rico mercador de tapetes, recebeu uma educação privilegiada: estudou no Colégio de Clermont, dos jesuítas. Atraído pela literatura e pela filosofia, é provável que tenha chegado a formar-se em direito.

Em 1643 já se dedica ao teatro, unindo-se a uma família de actores por cuja filha, Madeleine, se apaixona. Funda, assim, o grupo L'Illustre Théâtre, que durante dois anos se apresentou em Paris e, com o fracasso, as dívidas e a prisão temporária do próprio Molière, passa a fazer digressões pelas cidades do interior da França.

Durante cerca de 14 anos a companhia fez digressões,  representando obras do repertório clássico e algumas peças curtas de Molière. Numa dessas viagens, o príncipe de Conti, governador do Languedoc,  tornou-se mecenas do grupo (de 1653 a 1657), dando o seu nome à companhia.

Em 1658 os actores representaram, diante do rei Luís XIV, a obra "Nicomède de Corneille" e uma peça curta do próprio Molière, "O médico apaixonado". Devido ao êxito, a companhia passou a  chamar-se Trupe de Monsieur (uma referência ao irmão do rei, duque Filipe de Orléans) e, com a ajuda do novo mecenas, juntou-se a uma companhia italiana dedicada à commedia dell'arte.

A companhia apresentou em Paris "As preciosas ridículas", uma crítica à afectação e maneirismos da época. Em 1660, o grupo estabeleceu-se numa sala do Palais-Royal. A partir de então, Molière apresentaria em Paris - e ocasionalmente em outros lugares - obras próprias e de diversos autores, e enfrentaria com frequência acusações de imoralidade e proibições impostas às suas obras.

A inveja e a hostilidade dos seus rivais encontram óptimo pretexto quando se casa com uma suposta irmã de Madeleine, talvez filha dela, vinte anos mais nova que o dramaturgo. Mas Molière tem, nessa época, as boas graças do rei Luís XIV, e satiriza no palco os seus adversários, tirando partido de um conflito entre o poder real e a Companhia do Santo Sacramento, também chamada de "cabala dos devotos", um grupo da alta sociedade francesa que protesta contra o excessivo realismo e a irreverência das peças de Molière.

Só com a derrota e a dispersão dessa associação religiosa, depois de quatro a cinco anos de hesitações, o rei autoriza a encenação de "O tartufo", escrita em 1664, mas encenada apenas em 1669. O artista, contudo, encontrava-se minado pela doença, por tragédias familiares e muitas dívidas. Poucos anos depois, já sem o apoio do rei, Molière morre poucas horas depois de uma representação de "O doente imaginário".

Na época, os actores não podiam, por lei, ser sepultados nos cemitérios normais, já que o clero considerava tal profissão a "representação do falso". Contudo, o rei conseguiu que o enterrassem durante a noite no cemitério reservado aos não-baptizados. Em 1792, os seus restos mortais foram levados para o Museu dos Monumentos Franceses e, em 1817, transferidos para o cemitério de Père Lachaise, em Paris.

Representante máximo da comédia de língua francesa e um dos mais significativos dramaturgos da literatura universal, Molière é o mestre dos espectáculos divertidos, impregnados de uma viva trama do quotidiano e uma aguda visão satírica dos costumes, denunciando os caminhos e descaminhos da sociedade francesa do século XVII - e de todos os tempos.

Entre a ascensão do absolutismo e a expansão económica da burguesia - da qual, aliás, era filho -, Molière exprime uma consciência irreverente desse processo, jogando com o humorismo das suas situações particulares e recompondo com ironia as aventuras humanas.

Para isso, Molière orienta-se por uma razão que é pós-cartesiana e pré-revolucionária, tendo de um lado o senso da justiça, da medida certa, e do outro uma inquietação que é crítica e subtilmente demolidora. O resultado é um equilíbrio que se percebe nas directrizes da sua moralidade: ele acompanha os moralistas, mas só até certo ponto, pois a sua valorização da experiência e natureza humanas está voltada para o futuro e antecipa, ideologicamente, a Revolução Francesa.

Molière  contrapõe-se aos dogmas católicos e situa as suas esperanças - e as suas desesperanças - na pura e simples natureza humana. Do carácter falível dessa natureza emergem duas características essenciais e fecundamente contraditórias da sua comédia: a matéria do riso e a matéria da melancolia. Melancolia que, muitas vezes, se aprofunda nos momentos de humor e escurece a máscara - às vezes trágica - da comédia.
Saboroso crítico da hipocrisia, das convenções repressivas, da beatice dos devotos, da falsa ciência e da estupidez sentenciosa dos médicos, Molière trabalha com intrigas simples, conduzindo personagens com uma lógica inflexível, de que extrai os efeitos cómicos. Entre suas peças, destacam-se: "O Misantropo", "O Tartufo", "Escola de mulheres", "O Doente imaginário", "A escola dos maridos", "Don Juan", "As sabichonas" e "O burguês fidalgo".
Fontes: UOL Educação
wikipedia (imagens)
Molière numa gravura do frontispício das suas "Obras"
Pintado por Pierre Mignard (1658)

Sem comentários:

Enviar um comentário