sábado, 19 de março de 2016

19 de Março de 1813: Nasce o missionário inglês David Livingstone, explorador do continente africano.

David Livingstone foi um missionário e explorador britânico que se tornou famoso por ter sido um dos primeiros europeus a explorar o interior de África.
Ele percorreu 48 mil quilómetros em terras africanas. Numa aventura de mais de 15 anos, atravessou duas vezes o deserto de Kalahari, navegou o rio Zambeze de Angola até Moçambique, procurou as fontes do Nilo, descobriu as cataratas Vitória e foi o primeiro europeu a atravessar o lago Tanganica. Cruzou o Uganda, a Tanzânia e o Quénia. Andava a pé, em carros de boi e em canoas. Nas aldeias, tratava dos doentes, conquistando assim a amizade dos nativos.
David Livingstone não foi o primeiro, mas com certeza um dos maiores exploradores de África. Quando embarcou pela primeira vez para o continente africano, em 1841, pretendia actuar principalmente como missionário. Constatou logo que as missões em território pouco povoado não seriam promissoras, se não viajasse muito e visitasse os "selvagens" – como os nativos eram chamados pelos colonizadores.
Combateu, desde o início, o tráfico de escravos que, embora proibido no Império Britânico desde 1833, ainda era praticado. O objectivo de Livingstone era levar o livre comércio, o cristianismo e a civilização para o interior do continente africano.
Durante sua actividade missionária, ele ouvira falar de regiões frutíferas além do deserto de Kalahari. Em 1849, partiu com a família e um amigo em direcção ao norte. Enfrentou o calor inclemente e a escassez de água do deserto, até descobrir o lago Ngami – o seu primeiro êxito de descobridor. De 1852 a 1856, viajou pelo rio Zambeze, cruzando quase todo continente africano, de Leste a Oeste.
De volta à Inglaterra, Livingstone publicou, em 1857, o livro"Viagens missionárias e pesquisas na África do Sul"que se tornou um bestseller. Famoso, passou a trabalhar para o governo britânico. Ao serviço da Royal Geographical Society, partiu em 1865 à procura da nascente do Nilo. Foi atacado impiedosamente pela malária, sua "companheira" de viagens. Além disso, ele encontrava-se numa região completamente desconhecida e hostil. Muitas tribos viam-no como traficante de escravos.
Na sua penúltima expedição, partiu de Zanzibar, na costa oriental da África, e queria chegar ao lago Niassa. Abandonado pelos guias africanos, que fugiram com a comida e os remédios, e enfraquecido pela malária, o explorador chegou à aldeia de Ujiji, na margem tanzaniana do lago Tanganica. Na Europa, a estas alturas, ele já era dado como desaparecido. Supunha-se que estivesse mortalmente enfermo nas selvas africanas ou tivesse sido assassinado. Só nos Estados Unidos ainda se acreditava encontrá-lo vivo.
Em Março de 1871, o editor James Gordon Bennett encarregou o jornalista Henry Morton Stanley, correspondente em Madrid do jornal New York Herald, de procurar Livingstone e contar sua história. Com o auxílio de 200 carregadores, o repórter finalmente encontrou o explorador, com 58 anos de idade e esqueleticamente magro, em Ujiji (na fronteira entre o antigo Zaire e a Tanzânia), onde hoje se situa o Parque Gomba, um santuário de 52 quilómetros quadrados para chimpanzés.
Depois de recuperar forças com os alimentos e remédios levados pelo jornalista, Livingstone acompanhou Stanley em viagens ao extremo norte do lago Tanganica. Quando se preparava para retornar aos EUA, Stanley insistiu para que o explorador voltasse à Inglaterra, porém o fanático pesquisador resistiu. Passou os seus últimos dias de vida errante na região do lago Bangweolo. No dia 1 de Maio de 1873, os nativos encontraram David Livingstone morto em Ilala, ajoelhado ao lado da cama.
Morreu a rezar. Souzi e Chouma, seus auxiliares de confiança, enterraram o seu coração debaixo de uma árvore. Depois lavaram o corpo com sal e aguardente e o puseram-no para secar ao sol. Envolto numa manta de lã e dentro de uma caixa de casca de árvore, foi levado a Zanzibar. Ele fora o primeiro a descrever a geografia, a estrutura social, os animais e as plantas do continente africano. Contudo, o seu trabalho como missionário teve menor êxito do que o de descobridor. Hoje, os ossos do explorador  encontram-se na Abadia de Westminster, em Londres.

 Fontes: DW
Wikipedia (imagens)
Ficheiro:David Livingstone by Thomas Annan.jpg
David Livingstone em 1864
Ficheiro:Victoria Falls from Zambia(August 2009).jpg
David Livingstone descobriu as Cataratas Vitória em 17 de Novembro de1855
Ficheiro:Stanley - Comment… 11.png
lustração do célebre encontro entre David Livingstone e Henry Morton Stanley ocorrido em Ujiji, na actual Tanzânia, entre Outubro e Novembro de 1871. Ao encontrar Livingstone depois de uma jornada que durou meses em busca do seu paradeiro, Stanley proferiu o seu famoso e sarcástico cumprimento: "Dr. Livingstone, Eu presumo?"

Sem comentários:

Enviar um comentário