sábado, 21 de maio de 2016

21 de Maio de 1927: O aviador Charles Lindbergh termina, em Paris, a primeira travessia aérea solitária do Atlântico

O aviador Charles Lindbergh nasceu no dia 4 de Fevereiro de 1902, em Detroit, Estado de Michigan, nos Estados Unidos da América, e cresceu  na cidade de Little Falls, no Estado de Minnesota.

Aos oito anos de idade, Lindbergh viu, pela primeira vez, um avião. O piloto era  Lincoln Beachey, conhecido pelas suas  acrobacias aéreas. Ali nasceu o amor de Lindbergh pelos aviões. Depois de terminar a escola secundária, aos 18 anos Charles entrou para a Universidade de Wisconsin, a fim de estudar engenharia mecânica.

Um dia, ao presenciar a aterragem de um avião no campus universitário, decidiu abandonar os estudos e tornar-se piloto.

Em 1923, fez o seu primeiro voo solitário. Um ano depois, alistou-se no Exército, seguindo para o curso de piloto da Reserva do Serviço Aéreo Nacional.  Após o serviço militar, foi contratado pela empresa Robertson Aircraft Corporation para fazer voos de correio entre St. Louis e Chicago.
Secretamente, no entanto, Charles acalentava o mesmo sonho de todos os pilotos da época: ganhar os 25 mil dólares oferecidos pelo dono de um hotel de Nova Iorque, Raymond Orteig, para o primeiro aviador a voar de Nova Iorque a Paris sem escalas. Em 1927, vários pilotos já haviam perdido as suas vidas tentando realizar a proeza, mas Lindbergh estava certo de que poderia vencer, se tivesse o avião adequado.

Naquela época, a esmagadora maioria dos pilotos considerava os aviões monomotores muito frágeis para fazer um voo tão longo, e todas as tentativas haviam sido feitas com aviões de dois, três ou quatro motores. Lindbergh pensava exactamente o contrário, e convenceu alguns homens de negócios de St. Louis a financiar a preparação de um avião monomotor para fazer o vôo. A Companhia Aeronáutica Ryan, de San Diego, na Califórnia, foi escolhida e construiu um modelo Ryan NYP (um Ryan M-2 modificado). Lindbergh designou o avião como de "Spirit of St. Louis", em homenagem aos seus patrocinadores.

Nos dias 10 e 11 de Maio de 1927, Lindbergh testou o avião, indo de San Diego a Nova Iorque, com uma escala em St. Louis. O tempo de duração do voo foi de 20 horas e 21 minutos - era um novo recorde transcontinental. A 20 de Maio, Lindbergh e o "Spirit of St. Louis" partiram do campo Roosevelt, em Long Island, perto de Nova Iorque, às 7:52 da manhã. Às 10:21 da noite do dia 21, 33 horas e 32 minutos depois de ter partido dos EUA, Charles Lindbergh aterrou no Campo Le Bourget, próximo de Paris. Ele tinha voado mais de 5.700 km.
O voo foi uma verdadeira epopeia, durante a qual Lindbergh enfrentou neblina, ventos fortes, formação de gelo nas asas e, principalmente, o cansaço.  O voo de Lindbergh levou a que o presidente dos EUA, Calvin Coolidge lhe concedesse a Medalha de Honra do Congresso.

Em 1927, ao visitar o México, conheceu Anne Spencer Morrow, com quem  casou. Em Março de 1932, o primeiro filho de Charles e Anne foi sequestrado. Dez semanas depois, o corpo da criança foi encontrado. Para fugir do assédio dos repórteres, os Lindbergh  mudaram-se para a Europa. Em 1934, um tribunal condenou à morte Bruno Hauptman pelo sequestro e assassinato do filho de Lindbergh, mas até hoje pairam dúvidas em relação ao inquérito e ao processo.
Na Europa, Charles também pôde estudar a organização e o funcionamento das forças aéreas de vários países. O facto de aceitar uma condecoração alemã em 1938, bem como seus discursos em favor da neutralidade dos EUA na II Guerra Mundial e até mesmo de apoio a Hitler, valeram-lhe severas críticas, forçando Lindbergh a renunciar ao seu posto na Força Aérea. Após o bombardeamento de Pearl Harbor pelos japoneses, ele tentou voltar à Força Aérea, mas foi recusado. 

 Depois da guerra, Lindbergh trabalhou como consultor para o chefe do Estado-Maior da Força Aérea. Também foi consultor da empresa aérea Pan American. 

 Lindbergh continuou a viajar pelo mundo. Visitou a África e as Filipinas. Durante seus últimos anos de vida, passou a interessar-se pela conservação da natureza. Faleceu no dia 26 de Agosto de 1974, na sua casa em Mauí, no Hawai.
wikipedia (Imagens)
Spirit of Saint Louis em Paris
 
Lindbergh junto ao Spirit of Saint Louis

 

Sem comentários:

Enviar um comentário