sábado, 11 de junho de 2016

11 de Junho de 1144: No interior da Basílica de Saint Denis, nasce a arquitectura gótica

No dia 11 de Junho de 1144, a inauguração do coro da Basílica de Saint-Denis marca o nascimento da arte gótica. Convidados pelo abade Suger, participariam da cerimónia o rei de França, Luis VII, a sua esposa, a duquesa Leonor da Aquitânia, e todas as grandes personagens da corte e do clero.
Arcebispos, maravilhados pela luz dos vitrais e pelo arrebatamento das estruturas, retornariam às suas dioceses com o desejo de construir as suas próprias catedrais dentro do peculiar estilo de Saint-Denis.
O estilo arquitectónico que caracteriza o coro de Saint-Denis foi baptizado de ogival devido ao padrão estético dos seus arcos. Também chegou a receber o nome de arte francesa dada a sua origem, a Paris do século XII. Apenas na Renascença italiana é que passaria a designar-se arte gótica, um escárnio que associava essa arquitectura a algo “apenas digno das tribos bárbaras Godas”.
O termo gótico foi usado pela primeira vez pelo pintor Rafael por volta de 1518, num relatório ao papa Leão X sobre a conservação de monumentos antigos. O pintor considerava que os arcos em ogiva lembravam a curvatura das árvores que formavam as cabanas primitivas dos habitantes das florestas germânicas. O termo gótico é retomado num sentido pejorativo pelo crítico de arte Giorgio Vasari, em 1530, fazendo referência ao saque de Roma pelos bárbaros Godos.
Filho de um servo, o abade Suger ascendeu à cúpula da Igreja e do Estado somente pelo seu talento. A sua abadia, cujas partes mais antigas remontam aos reis merovíngios da linhagem de Clóvis, foi desde cedo um lugar de peregrinação. Desde a época de Dagoberto, os reis e príncipes queriam ser sepultados lá. Pepino, o Breve, e os seus dois filhos, foram ali sagrados reis de França pelo papa.
Empreendedor singular, mandou reconstruir a abadia de Saint-Denis. As suas concepções arquitectónicas eram opostas às do seu contemporâneo e rival, o austero Bernardo de Claraval, que defendia o despojamento dos locais de culto.
Num primeiro momento, o abade adopta para a fachada e para a cripta o estilo românico da época. Ainda assim, introduz na fachada uma soberba rosácea, a primeira do género. O estilo românico expandiu-se no Ocidente após o ano mil, por ocasião da renovação da Igreja. Caracterizava-se pela utilização de abóbadas de berço capazes de sustentar sólidas paredes de pedra, eram construídas como um contínuo arco de volta perfeita, retomado posteriormente pela arquitectura do Renascimento.
Todavia, por volta de 1130, por ocasião da construção da catedral de Saint-Étienne em Sens, um novo estilo arquitectónico surge discretamente, trazendo formas mais leves, mais esbeltas e mais luminosas. O abade Suger ficou seduzido por esse novo estilo e decide inspirar-se nele  para o término da sua querida basílica.
Com a consagração do coro de Saint-Denis, os contemporâneos tiveram consciência de assistir ao nascimento de um novo estilo arquitectónico, revolucionário pela sua audácia e pelo seu carácter resolutamente inovador.
Fontes: Opera Mundi
wikipedia (imagens)



 
Basílica de Saint - Denis

Sem comentários:

Enviar um comentário