terça-feira, 5 de julho de 2016

05 de Julho de 1911: Morre D. Maria Pia de Saboia, princesa italiana e rainha consorte de Portugal

D. Maria Pia de Saboia foi rainha de Portugal pelo seu casamento com o rei D. Luís I. 
Nasceu em Turim a 16 de Outubro de 1847, sendo filha de Victor Manuel, então príncipe do Piemonte, mas que mais tarde, em 1849, foi aclamado rei de Sardenha, e em 1867, rei da Itália. 
A sua mãe era a arquiduquesa D. Maria Adelaide Francisca Reinero Elisabete Clotilde, que faleceu em 1854, deixando sua filha,  apenas com 7 anos de idade, entregue aos cuidados da condessa de Vila Marina, que  a educou. Em 1862 foi pedida em casamento, pelo rei D. Luís, indo a Turim com esse encargo, em especial missão, o visconde da Carreira. O ilustre diplomata ia também encarregado de ajustar o contrato matrimonial. Chegou a Turim a 3 de Agosto de 1862, sendo o contrato assinado no dia 9 do citado mês. O rei de Itália dava 500.000 francos de dote a sua filha, 100.000 para o enxoval, e jóias no valor de 250.000. O dote devia ser entregue ao tesouro português vencendo o juro de 5 % ao ano, pago em trimestres, ou empregado em bens de raiz, dando o rei de Portugal em hipoteca ao dote de sua esposa a parte dos rendimentos do Estado que fosse suficiente para isso. 
O casamento realizou-se em Turim por procuração, em 27 de Setembro do mesmo ano de 1862, sendo o rei D. Luís representado pelo príncipe Carignan de Sabóia, lançando a bênção nupcial o arcebispo de Génova. No dia 29 embarcou a jovem rainha de Portugal, em Génova, a bordo da corveta Bartolomeu Dias, partindo para Lisboa acompanhada pelas corvetas Estefânia Sagres, e pelas corvetas italianas Maria Adelaide, Duque de Génova, Itália, Garibaldi, e o vapor aviso Anthion. A esquadra chegou a Lisboa a 5 de Outubro, indo esperá-la fora da barra os vapores de guerra Lince e Argos, os vapores de comércio D. Antónia, D. Luís, Açoriano Torre de Belém. A corveta Bartolomeu  Dias fundeou em frente de Belém, indo logo a bordo o rei D. Luís, o rei D. Fernando, o conselho de Estado, ministério, etc. Para o desembarque da rainha, que se efectuou no dia 6, construiu-se um pavilhão no Terreiro do Paço, representando o templo do Hymineu.

No dia 6, pelo meio-dia, embarcou o rei D. Luís no bergantim real, indo a Belém buscar a rainha. Concluída a cerimónia no Terreiro do Paço,  dirigiu-se o  cortejo para a igreja de S. Domingos, onde se procedeu à cerimónia da ratificação do casamento. Em comemoração do real consórcio realizaram-se festas durante três dias, havendo brilhantes iluminações, tanto nos edifícios públicos, como em muitas casas particulares, produzindo grande efeito as do Terreiro do Paço e da praça de D. Pedro. Houve parada, fogos de artifício, récitas de gala no teatro de D. Maria, com o drama histórico em 5 actos, de Mendes Leal, Egas Moniz, e no de S. Carlos, cantando se opera Ernani, de Verdi. A rainha Senhora 

Foi a rainha D. Maria Pia quem fundou na Tapada da Ajuda a Creche Victor Manuel, que se inaugurou em 1 de Novembro de 1878, construindo-se um edifício próprio para aquele fim. 

O rei D. Luís I faleceu  em 19 de Outubro de 1889, em Cascais, o que lhe causou profundíssimo desgosto, e em 1 de Fevereiro de 1908 sofreu a perda do seu filho, o rei D. Carlos I, e do seu neto, o príncipe D. Luís Filipe, num atentado.Com a implantação da República, em 5 de Outubro de 1910, D. Maria Pia seguiu  para o exílio, mas não junto aos restantes membros da família real; partiu para o seu Piemonte natal, onde viria a falecer no ano seguinte, a 5 de Julho de 1911.
Fontes: www.arqnet.pt
wikipedia (Imagens)


Arquivo: 33 - Rainha D. Maria Pia - O Anjo da Caridade.jpg

Ficheiro:Queen Maria Pia of Portugal.jpg
D. Maria Pia de Saboia

D. Maria Pia, em 1862, ano do seu casamento com D. Luís I

D. Maria Pia, em 1862, ano do seu casamento com D. Luís I
A Família Real Portuguesa em Queluz, por Joseph Layraud, 1876
A Família Real Portuguesa em Queluz, por Joseph Layraud, 1876


Sem comentários:

Enviar um comentário