sábado, 24 de setembro de 2016

24 de Setembro de 1541: Morre Paracelso, mestre da medicina filosófica

Paracelso é o pseudónimo de Phillipus Aureolus Theophrastus Bombastus von Hohenheimnasceu. Nasceu em Einsiedeln, na Suiça  a 17 de Dezembro de 1493  e faleceu em Salzburgo a  24 de Setembro de 1541. Foi médico, alquimista, físico e astrólogo. A ele também é creditada a criação do nome do elemento zinco, designando-o zincum.
No início do século XVI, a medicina era considerada ultrapassada. Nesta época só se conhecia o tratamento de doenças através de ervas, plantas e substâncias extraídas de animais. Não se imaginava que a cura para alguns males estava nos recursos minerais, foi aí que Paracelso desempenhou o seu papel de médico e alquimista. É dele a frase: “Todas as substâncias são venenos, não existe nada que não seja veneno. Somente a dose correcta diferencia o veneno do remédio.” A partir desta frase já se nota a habilidade do médico alquimista em estipular doses precisas de medicamento para a cura de doenças.

Paracelso revelou que os elementos químicos como o zinco, ferro, manganês, poderiam estar presentes no nosso corpo. Ao contrário do que se pensava na época, os minerais existiam na forma orgânica e não somente na forma inorgânica (fora do organismo). Foi a partir daí que o alquimista propôs uma interacção dos minerais e metais com o bem estar do homem, e um de seus estudos envolvia a cura da sífilis com mercúrio.

Numa época que a sífilis atingiu inúmeras pessoas na Europa, os estudos de Paracelso aparecem como um milagre. Este médico, pela primeira vez na história, usou algo que era vegetal, nem animal para tratamento médico. A sífilis curada pelo metal mercúrio foi uma amostra desta inovação e foi considerada a mais importante descoberta de Paracelso.
Paracelso foi um astrólogo, assim como muitos dos físicos europeus da época. A Astrologia foi uma parte muito importante da Medicina de Paracelso. Num dos seus livros, ele reservou várias secções para explicar o uso de talismãs astrológicos na cura de doenças. Paracelso criou e produziu talismãs para várias enfermidades.

A parte essencial de sua obra foi publicada “post-mortem’”. As suas descobertas propriamente científicas aparecem mescladas com dissertações filosóficas e exposições de teorias sociais. Para conhecer a fundo e compreender a medicina da sua época, alguém teria de ser a um só tempo cientista, médico e um erudito perfeitamente informado sobre as ciências ocultas.
Na opinião de Paracelso, o médico não deveria contentar-se  em ser apenas um técnico do corpo, mas também um filósofo.
Algumas das regras de Paracelso diziam que, primeiramente, é preciso melhorar a saúde .Para tanto há que  respirar, fundo e ritmicamente, com a maior frequência possível, enchendo bem os pulmões, ao ar livre ou assomando a uma janela. Beber diariamente  dois litros de água, comer muitas frutas, mastigar os alimentos de modo o mais perfeito possível, evitar o álcool, o tabaco e os remédios, a menos que estejam submetidos a tratamento devido à causa grave.
Tomar banho diariamente é um hábito que se deve à própria dignidade. Para complementar, afastar por completo do estado de ânimo, por mais motivos que existam, toda a ideia de pessimismo, rancor, ódio, tédio, tristeza, vingança e ressentimento.

wikipedia (imagens)

 

Sem comentários:

Enviar um comentário