terça-feira, 1 de novembro de 2016

01 de Novembro de 1512: inauguração do tecto da Capela Sistina

No dia 1 de Novembro de  1512 Miguel Ângelo apresentou o seu monumental fresco do tecto da Capela Sistina às autoridades do Vaticano. Cinco milhões de pessoas visitam aquele que é considerado um dos maiores tesouros artísticos da Humanidade. 

Consta que Miguel Ângelo aceitou a incumbência de pintar o tecto da Capela Sistina contrariado, por se considerar sobretudo um escultor e pensando que resultava de uma conspiração dos seus rivais para o desviar da obra para a qual havia sido chamado a Roma, o mausoléu do Papa.
O resultado seria deslumbrante. Ao longo dos 1100 metros quadrados do tecto do templo, Miguel Ângelo apresentou algumas das mais poderosas imagens de cenas do Antigo Testamento, consideradas como um dos maiores tesouros artísticos do mundo - os nove painéis centrais mostram as histórias de Génesis, da criação à queda do ser humano, o dilúvio e o renascimento posterior da Humanidade com a família de Noé.
A obra, encomendada pelo Papa Júlio II, foi realizada pelo artista ao longo de cinco anos (entre 1508 e 1512) e faz hoje 504 anos que o Pontífice escolheu o dia de Todos os Santos para a inaugurar.
Actualmente, a Capela Sistina é vista por cerca de duas mil pessoas por dia (mais de cinco milhões por ano), que visitam o templo tornado uma enorme atracção turística, o que, aliás, tem gerado algumas críticas. O Vaticano admite até, futuramente, limitar o número de entradas.
Além de diversas cerimónias religiosas, no espaço ali tem ainda lugar o conclave em que os bispos elegem o novo Papa.
Localizada no Palácio Apostólico da Cidade do Vaticano, residência oficial do Papa, a Capela Sistina foi criada entre 1477 e 1480, inspirada no Templo de Salomão do Antigo Testamento.
Para além dos frescos de Miguel Ângelo, conta ainda com pinturas de outros grandes artistas do Renascimento como Rafael, Bernini e Sandro Botticelli.
Fonte: Expresso
Vista do tecto da Capela Sistina
Ficheiro:God2-Sistine Chapel.png
A criação do Homem - Miguel Ângelo

Sem comentários:

Enviar um comentário