segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

26 de Dezembro de 1606: Estreia de "Rei Lear", de Shakespeare, na corte de Jaime I

Rei Lear é uma tragédia de William Shakespeare escrita entre 1603 e 1606 e representada, pela primeira vez, em 26 de Dezembro de 1606. É apresentada em verso e prosa e constituída por cinco actos. Considerada uma das melhores tragédias do dramaturgo, a peça baseia-se na lenda do rei dos Bretões, Lear, cuja primeira versão foi escrita pelo historiador Geoffrey de Monmouth, no século XII.

A acção inicia-se com a decisão do rei em renunciar ao poder, dividindo o reino em três partes para distribuir cada uma pelas suas três filhas, Regan, Goneril e Cordélia. Antes da legação, Lear pede às filhas que deem provas do seu amor filial. As duas primeiras, Regan e Goneril, manifestam o seu pseudo amor pela adulação. Lear, satisfeito, entrega-lhes as partes do reino correspondentes a cada uma delas. Posteriormente, as jovens casam respetivamente com o Duque de Cornwall e o Duque de Albany.

Mas o rei destina o melhor território para a sua filha dileta, Cordélia, a mais nova das três irmãs. Esta afirma o seu amor filial com toda a simplicidade. Incompreendida, Lear, furioso, deserda-a. Por falta de dote, um dos seus pretendentes, o Duque de Burgundy, desinteressa-se por ela. No entanto, o rei de França, reconhecendo as virtudes e o carácter correto de Cordélia, casa com a jovem.
Afastado das funções régias, Lear conserva unicamente o título de rei e um séquito, que o acompanha quando visita Regan e Goneril. Aos poucos, começa a aperceber-se da falsidade destas filhas. À medida que envelhece, vai sentindo não a decadência das suas condições físicas e mentais, como também o abandono de todos.
Tendo conhecimento de tal situação e da agitação provocada por vários nobres no seu antigo reino, Cordélia envia as tropas francesas em auxílio do pai, para salvá-lo das vicissitudes por que passava. Em vão. É capturada e enforcada por ordem da irmã Regan. Por rivalidades amorosas, esta acaba por ser envenenada por Goneril, que a seguir se suicida, apunhalando-se. Lear, ao saber da morte da filha Cordélia, morre de desgosto.
Destacam-se algumas realizações artísticas baseadas na obra: a abertura sinfónica O Rei Lear, composta, em 1831, por Hector Berlioz; a pintura de Willam Dyce, intitulada "King Lear and the fool in the storm" (tradução livre: Rei Lear e o bobo na tempestade); várias versões televisivas, como a de Peter Brook (1953), com interpretação de Orson Welles no papel de Lear, e a de Grigori Kozintsev (1970), e a de Michael Eliot (1983), na qual Lear é desempenhado por Laurence Olivier, e, ainda, a versão teatral realizada por Christian Liardet, em 1999.
Rei Lear. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. 
Wikipedia
Ficheiro:King Lear Q1.jpg

Rei Lear e o bobo na tempestade", por William Dyce 


Ficheiro:Goneril and Regan from King Lear.jpg

Goneril e Regan, por Edwin Austin Abbey

Sem comentários:

Enviar um comentário