sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

13 de Janeiro de 1128: O Papa Honório II reconhece os cavaleiros da Ordem dos Templários

O  papa Honório II concedeu em 13 de Janeiro de 1128 uma autorização papal à ordem militar conhecida como Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão (em latim "Ordo Pauperum Commilitonum Christi Templique Salominici"), ou mais popularmente, Ordem dos Templários, declarando-a um Exército de Deus. Esta é uma das mais famosas Ordens Militares de Cavalaria. A organização existiu durante cerca de dois séculos na Idade Média, fundada na esteira da Primeira Cruzada de 1096. Liderada pelo francês Hughes de Payens, a Ordem dos Templários foi fundada em 1118. Os Templários impuseram-se a missão de proteger os peregrinos cristãos no seu caminho para a Terra Santa durante as Cruzadas, uma série de expedições militares com o objectivo de derrotar os muçulmanos habitantes da antiga Palestina.

Além da origem familiar nobre, os cavaleiros tinham de se submeter a estritos votos de pobreza, obediência e caridade. Em 1127, esforços para promover a Ordem tiveram como consequência a atracção de mais e mais nobres, o que fez aumentar o seu número e influência. 

Enquanto não se permitia que o cavaleiro individualmente pudesse ter qualquer propriedade, para a Ordem como um todo não havia qualquer restrição. Ao longo dos anos, muitos cristãos ricos doaram terras e  objectos valiosos a fim de sustentar a Ordem. No começo do século XIV, terminaram as Cruzadas sem ter atingido o seu desiderato. Não obstante, a riqueza material da Ordem cresceu extraordinariamente, a ponto de provocar ciúmes tanto no poder religioso quanto no secular. 

Em 1307, o rei Felipe IV da França e o papa Clemente V combinaram dissolver a Ordem dos Templários, prendendo o grão-mestre, Jacques de Molay, acusando-o de heresia, sacrilégio e satanismo. Sob tortura, Molay e outros dirigentes dos Templários confessaram para finalmente serem queimados na fogueira. Clemente dissolveu a Ordem em 1312, destinando as suas propriedades e activos financeiros a uma ordem rival, os Cavaleiros Hospitalares da Ordem Hospitalária. Na verdade tanto o rei Felipe quanto o rei Eduardo II queriam mais a riqueza do que o banimento da organização dos seus respectivos países. 

A Igreja Católica admitiu que a perseguição aos Templários foi injustificada e declarou que o papa Clemente foi pressionado pelos governantes seculares a dissolver a Ordem. 

Ao longo dos séculos mitos e lendas acerca dos Templários só fizeram crescer, inclusive a crença de que eles teriam descoberto as relíquias sagradas no Monte do Templo, o Santo Graal, a Arca da Aliança e ainda partes da cruz da crucificação de Cristo. Os segredos imaginários dos Templários têm inspirado, romances e filmes de grande repercussão como o Código da Vinci de Dan Brown.  
 
Fontes: Opera Mundi
wikipedia (imagens)

Representação de um cavaleiro templário
Hugo de Payens
Templários condenados à fogueira pela Santa Inquisição 

Sem comentários:

Enviar um comentário