sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

17 de Fevereiro de 1869: Nasce, em Lisboa, o almirante Gago Coutinho

Através da sua certidão de nascimento, ficamos a saber que nasceu às 3:30h da madrugada de 17 de Fevereiro de 1869. Filho primogénito de José Viegas Gago Coutinho, marítimo, natural de Faro, e de Fortunata Maria Coutinho, natural de Faro, moradores na Calçada da Ajuda, n.º 5, foi baptizado na Igreja de Santa Maria de Belém, diocese de Lisboa, no dia 2 de Junho de 1869. Consta que faleceu na freguesia de Santa Engrácia, de Lisboa, às 18:05 h do dia 18/02/1959.
O próprio descrevia assim a sua família:
«Meu pai era um homem de reduzida educação literária. Só a primária, mas conhecia escrita comercial, em que praticava. Sargento de mar-e-guerra até 1873, serviu na nau Vasco da Gama e na fragata D. Fernando. Era homem alto, desempenado, bem branco. (...) falecendo em Lisboa com 93 anos. Meus avós eram livreiros em Faro.(...) De minha mãe, senhora pequena, algarvia, filha de padeiros, e que devia ter ascendência moura, nada mais sei a não ser que um irmão dela era patrão de um cahique da costa (...).(...)Desde os 8 anos que foi minha mãe adoptiva uma amiga de minha mãe, D. Maria Augusta Pereira, falecida em 1914.»
O almirante tinha muito orgulho na sua ascendência plebeia. Segundo o próprio, gostava de passear incógnito por terras de Portugal (Lisboa e Rio de Janeiro). Era grande o seu amor pelo Brasil, daí o ter passado grande parte da sua vida em terras de Santa Cruz.
Mas também adorava a cidade de Lisboa e o bairro onde viveu cerca de 70 anos. A morada revestia-se de tal importância para a sua pessoa que todas as suas cartas terminavam com a frase: «Lisboa – Madragoa – Esperança 164»
Devido aos fracos recursos materiais, o seu pai não lhe pode satisfazer a vontade de ir frequentar um curso de Engenharia na Alemanha. Por esse motivo, Carlos Coutinho seguiu a carreira de marinheiro em Portugal. Assim, terminado o Liceu, frequenta a Escola Politécnica e, aos 17 anos de idade alista-se como aspirante na Marinha, entrando para a Escola Naval onde conclui o seu curso em 1888. Numa rápida e brilhante ascensão na carreira é promovido a guarda-marinha no ano de 1890, sendo que um ano depois já gozava do cargo de segundo-tenente.
A julgar por este início de vida, e tendo em conta o seu desenvolvimento, descobrimos em Gago Coutinho um ilustre cidadão, de grande independência de carácter, de espírito democrático, honesto e trabalhador. O seu carácter multifacetado e espírito empreendedor prometiam uma prestimosa carreira, não só como navegador marítimo e geógrafo, mas também como precursor da navegação aérea astronómica.
Entre 1898 e 1918 devota-se principalmente à função de geógrafo de campo, levando a cabo missões geodésicas e de delimitação de fronteiras, onde utilizou novos métodos de exploração. E foi numa destas missões, em Moçambique (1907), que conheceu Sacadura Cabral, que viria a ser o seu companheiro da travessia do Atlântico Sul (Lisboa - Rio de Janeiro).
De espírito inovador, é frontal e rígido, afirmando: «Gosto de controvérsias, de tudo o que possa esclarecer, pois sou comunicativo como todos os homens do mar. Gosto da discussão que faz luz...». Igualmente muito modesto ao fazer as suas apresentações e conferências nas academias, qualidade que, segundo os que com ele conviviam, vinha cultivando desde sempre: «(durante a travessia), o meu papel foi secundário.» (Gago Coutinho, 30/03/1942). Também muito espirituoso, tinha sempre uma resposta de espírito pronta para dar, ou uma anedota para contar. Um dia, alguém lhe perguntou como tinha atravessado África a pé. Resposta rápida de Carlos Coutinho: «Como havia de ser? Com as botas rotas, para a água sair mais à vontade, porque, para entrar, entrava sempre.»
Curioso é também o seu gosto pelo desporto, visto não ser muito comum na época em que viveu. Desde a adolescência que o praticava, especialmente ginástica com aparelhos. Já com alguma idade, ainda trabalhava com as argolas montadas numa trave do tecto na Rua da Madragoa, para se manter em forma. Este assunto interessava-o, e a ele também dedicou algumas das suas palavras, das quais temos o exemplo aquando da conferência do 71º. aniversário do Real Ginásio Clube Português (1946).
A vida de Coutinho foi uma contínua lição de patriotismo, que é facilmente observável na dedicação entusiástica à história dos Descobrimentos Portugueses, apontando e desfazendo omissões, erros e dúvidas de cronistas e historiadores nas suas obras. Isto teve como consequência a criação de uma doutrina notável sobre a técnica náutica, nomeadamente, as origens e a técnica de velejar das caravelas. As conclusões inéditas a que chegou culminaram na obra "Náutica dos Descobrimentos" e permitiram-lhe, ainda, escrever em vários jornais e revistas portuguesas como a Seara Nova: «Assim, como se vê, tem sido como homem da rua, falando para homem da rua (...) que tenho tentado vulgarizar nas páginas da Seara Nova certas ideias revolucionárias.» (Seara Nova/n.º1000, 1946)
Escreveu, também, argumentos (aos quais chamava «apontamentos») que nunca passaram ao ecrã por falta de financiamento, se bem que se pensa terem constituído inspiração para alguns filmes nacionais.
O muito saber de geógrafo e de navegador de larga experiência aliados a uma grande tenacidade de espírito, permitiram-lhe dedicar-se a estudos de navegação aérea ainda incipientes nessa época, e possibilitaram-lhe a concretização da primeira travessia aérea do Atlântico Sul. O Sextante Português, utilizado na referida viagem, é um dos exemplos materiais do valor científico dos inovadores trabalhos e missões do Almirante.
wikipedia (Imagens)
Arquivo: Gago Coutinho e Sacadura Cabral.jpg
Gago Coutinho e Sacadura Cabral a bordo do Lusitânia
Fichier:Gago Coutinho e Sacadura Cabral, primeira travessia aéria do Atlântico Sul. 1922.jpg

Gago Coutinho e Sacadura Cabral, primeira travessia aérea do Atlântico

Sem comentários:

Enviar um comentário