sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

24 de Fevereiro de 1956: Nikita Khrushchev denuncia "crimes de Estaline"

No dia 24 de Fevereiro de 1956, em sessão secreta no 20º Congresso do Partido Comunista da União Soviética, o primeiro-secretário Nikita Khrushchev  pronunciou um discurso que causaria profundo abalo na política soviética e no movimento comunista internacional. Durante sete horas, leu um relatório minucioso sobre as “purgas estalinistas”, questionou as qualidades militares do “guia genial dos povos”.
Apenas os delegados ao encontro puderam ver e ouvir, ao vivo, o relatório em que o sucessor de Lenine foi acusado de ter "violado a legalidade socialista" e desenvolvido a prática do "culto da personalidade", contrário aos "princípios leninistas". Khrushchev citou nominalmente as lideranças do PCUS que foram executadas nos famosos "processos de Moscovo", na década de 1930, denunciou a violência praticadas pela polícia política, os erros estratégicos de Estaline durante a guerra contra o nazi-fascismo e o seu comportamento quase paranoico depois da guerra até à morte, em Março de 1953. 


Três meses depois, o relatório foi divulgado integralmente pelo jornal norte-americano The New York Times.
A repercussão política foi enorme - não apenas na URSS, mas fora dela, principalmente nos partidos comunistas ocidentais que, de uma hora para outra, viram-se na urgência de rever as suas posições. O teor explosivo das denúncias de Khrushchev gerou perplexidade nos dirigentes comunistas de todo o mundo, que chegaram a duvidar da sua existência. 




As circunstâncias em que Khrushchev resolveu denunciar os erros e os "crimes de Estaline" até hoje são obscuras. Aparentemente, as suas revelações foram feitas no decorrer de uma violenta luta interna do partido, onde se confrontavam os apegados ao passado estalinista e os partidários de certa renovação das instituições soviéticas - apelidados pelos primeiros de "revisionistas". Constantemente pressionado internamente e ameaçado de ficar em minoria, Khrushchev teria jogado todas as suas fichas no congresso de 1956. 


As acusações provocaram, entre outras, uma cisão irreparável entre o PC da URSS e o PC chinês de Mao Tsé-tung, que defendia a memória de Estaline. 
Derrubado do governo em 1964, Nikita Khrushchev morreu sete anos depois, esquecido.


Fontes: Opera Mundi
wikipedia (imagens) 
Khrushchev com Estaline em 1936

Nikita Khrushchev e John F. KennedyViena, Junho 1961


A younger man and an older one confer together.Khrushchev com Mao, 1958




A balding man and a younger Chinese man sit and smile, the balding man holding a fan
 

Sem comentários:

Enviar um comentário