sábado, 29 de abril de 2017

29 de Abril de 1429: Joana D'Arc entra na cidade de Orleães, França, reivindicando vitória sobre as forças inglesas.

Joana D'Arc nasceu em Domrèmy-la-Pucelle na noite de Epifania de 1412. Já em vida, se havia tornado uma lenda, as pessoas queriam vê-la e tocá-la. Em 1429, entrou para a história da França ao escrever uma carta ao chefe da ocupação inglesa:
"Rei da Inglaterra, auto intitulado regente do Império Francês, entregue à virgem enviada por Deus, imperador do céu, a chave de todas as cidades que Sua Alteza tomou dos franceses. Se não o fizer, Sua Alteza já o sabe, eu sou general. Em todo lugar na França que encontrar da sua gente, vou expulsá-la."
Teria sido ousadia ou ingenuidade a oferta feita por Joana, então com 16 anos, ao seu rei, Carlos VII, de expulsar os invasores ingleses de Orleães e assim ajudá-lo a garantir-se no trono da França? Ao apresentar-se como enviada divina, ajudou a projectar o seu nome na história.
Oficialmente, ninguém contestava a necessidade de expulsar os britânicos. Mesmo assim, o rei e os seus consultores preferiram mandar averiguar quem era aquela jovem. Doutores, religiosos, guerreiros, ninguém encontrou ressalvas à pura Joana, apenas o bem, a inocência, a humildade, a honestidade e a submissão.
Joana apareceu para salvar os franceses justamente no momento em que eles acreditavam que apenas um milagre poderia ajudá-los. E a Joana vestida de guerreiro, um enviado de Deus, incorporou esta esperança. O povo via nela a concretização de um antiga profecia, segundo a qual a França seria salva por uma virgem. Uma propaganda ideal para a corte. Era a oportunidade para motivar as suas tropas, que a esta altura estavam com a imagem um tanto desgastada.
Joana, a salvadora. Com o passar dos séculos, ela foi apelidada de bruxa, prostituta, santa, feminista, nacionalista, heroína.
Orleães estava sitiada pelos ingleses há seis meses. Um contingente de cinco mil homens pretendia forçar os 30 mil habitantes a  entregar-se. Munida de uma bandeira branca, Joana chega a Orleães em 29 de Abril de 1429. Comandando um exército de 4000 homens ela consegue a vitória sobre os invasores no dia início do mes de Maio. O episódio é conhecido como a Libertação de Orleães (e em França como a Siège d'Orléans). Os franceses já haviam tentado defender Orleães mas não obtiveram sucesso. Apesar de não ser um integrante activo nos planos dos militares franceses, o espírito de luta de Joana – e talvez apenas a sua presença – trouxe a vitória aos franceses.
No dia 8 de Maio de 1429, ela foi festejada pelos moradores de Orleães como enviada divina. E seguiram-se ainda muitas vitórias até à coroação de Carlos VII em Reims. Os ingleses, derrotados, iniciaram uma conspiração contra Joana, que acusavam de bruxaria. Ela foi presa em 1430, julgada em Rouen por heresia por um tribunal eclesiástico presidido por Pierre Cauchon, bispo de Beauvais, foi condenada e queimada viva na praça Vieux-Marché de Rouen, em 30 de Maio de 1431. Carlos VII, que nada fez para salvá-la, esperou até à reconquista de Rouen, em 1450, para proceder à revisão do seu processo, que culminaria  na sua absolvição (1456).Em 9 de Maio de 1920, cerca de 500 anos depois de sua morte, Joana D'Arc foi canonizada pelo Papa Bento XV - era a Santa Joana D'Arc. Em 1922 foi declarada padroeira de França. 
Fontes DW
France.fr
wikipedia (imagens)

Gravura de 1505
Ficheiro:Joan of Arc on horseback.png
O interrogatório de Joana d'Arc - Paul Delaroche
Ficheiro:Joan of arc interrogation.jpg
 Joana d'Arc é queimada viva - Jules-Eugène Lenepveu
Ficheiro:Joan of arc burning at stake.jpg

Sem comentários:

Enviar um comentário