quinta-feira, 4 de maio de 2017

04 de Maio de 1493: O "Novo Mundo" é dividido entre Portugal e a Espanha, através da bula "Inter Coetera"

Bula Inter Coetera, expressão em latim que significa “"entre outros (trabalhos)", foi uma  bula do Papa Alexandre VI, datada de 4 de Maio de 1493. Pelos seus termos, o chamado "novo mundo" seria dividido entre Portugal e a Espanha, através de um meridiano situado a 100 léguas a oeste do arquipélago de Cabo Verde: o que estivesse a oeste do meridiano seria espanhol, e o que estivesse a leste, português.
Em 1492 a Coroa castelhana iniciou a sua expansão marítima apostando no projecto do navegador genovês Cristóvão Colombo. Pensando ter chegado às Índias, o navegador italiano encontrou o continente americano. O anúncio da existência do novo continente inseriu os castelhanos na disputa por novas áreas de exploração colonial. Temendo uma abrupta ascensão marítimo-comercial espanhola, Portugal ameaçou entrar em conflito com os seus vizinhos caso as suas possessões fossem desrespeitadas. Solicitou-se ao papa Alexandre VI que arbitrasse a questão. 
No dia  4 de Maio de 1493, através da Bula Inter Coetera estabeleceu-se um acordo que determinava as regiões de exploração de cada uma das nações ibéricas. De acordo com o documento, uma linha imaginária a 100 léguas das Ilhas de Cabo Verde dividia o mundo, determinando que todas as terras a oeste dessa linha seriam de posse da Espanha e a leste seriam fixados os territórios portugueses. Este arranjo assegurava as terras descobertas no ano anterior por Cristóvão Colombo à Espanha e, a Portugal a costa africana que vinha sendo explorada com vista ao descobrimento de um caminho marítimo para a Índia.Desta maneira, a disputa parecia resolvida.
No entanto, por motivos não muito claros, o rei Dom João II exigiu a revisão do acordo diplomático. Alguns historiadores levantam a hipótese que a Coroa Portuguesa sabia da existência de terras na parte sul do novo continente. Dessa maneira, as autoridades lusas mais uma vez ameaçaram os castelhanos caso o pedido de revisão não fosse acatado. Mais uma vez, o papa foi convocado para intermediar novas negociações. Para solucionar esse impasse, foi negociado o Tratado de Tordesilhas (1494), que estabeleceu um novo meridiano a 370 léguas das ilhas de Cabo Verde.

wikipedia (imagens)
File:España y Portugal.png
As linhas de divisão realizadas em 1493 (Bula Inter Coetera) e 1494 (Tratado de Tordesilhas)
File:Pope Alexander Vi.jpg
Papa Alexandre VI - Cristofano dell Altissimo

2 comentários:

  1. " o navegador genovês Cristóvão Colombo" Esta pequena frase, depois da tese bem fundamentada que nos prova que Colombo - aliás COLON, Colombo é palavra italiana, não é admissível. Os historiadores portugueses basearam-se em Rui de Pina e assim foram enganados porque Rui de Pina já estava infectado pela trafulhice dos italianos. nunca se viu um cardador de lã casar com uma senhora da mais alta nobreza. ETC ....

    ResponderEliminar
  2. Na verdade COLON é português, nada sabia de italiano e quando escreve aos reis católicos, fá-lo com muitas palavras portuguesa pelo meio do texto. Custa a crer como é que durante centenas de anos alinhámos na tese dos falsários italianos sem a menor crítica. ainda hoje os nossos cromos da História continuam agarrados à tese italiana, como se vê neste texto. INCRÍVEL !!!! Cuba está no Alentejo e mais cerca de 15 nomes dados nas Antilhas são nomes de terras portuguesas. Houve, sim um Cristoforo Colombo (o Almirante é Colon), cardador genovês, mas não foi esse que chegou às Caraíbas. Mas o que mais custa a crer é como é que os historiadores portugueses embarcaram nesta falsidade sem crítica, só porque Rui de Pina disse, quando ele já foi vítima da trafulhice italiana.

    ResponderEliminar